As pequenas virtudes da alma

 16 junho 2015   Em:

Certa vez, pude entrar em contato com vários textos de um mestre hindu que muito me fizeram refletir sobre nossas atitudes e comportamentos. Sábio, como todo mestre, ele propõe diversas reflexões que ampliam o sentido da vida, resumindo nossa evolução como uma constante somatória de pequenas virtudes da alma.

Na maioria das vezes, pensamos em grandes soluções para tudo, pensamos em grandes atos de caridade, grandes obras e projetos que envolvam pessoas, recursos enormes, sem nos darmos conta de que, em muitas ocasiões, essas ideias estão carregadas de vaidade, orgulho e egoísmo.

Alguns textos repassarei a vocês, como o de hoje, “Um dia por vez”.

“Quando o homem passou a contar os dias, as horas e os minutos, o tempo começou a ser medido com precisão centesimal.

Contudo, houve um tempo em que o tempo não se chamava tempo. Era somente eternidade e mais nada…

O homem, espírito, vivia caminhando e aprendendo na eternidade.

O homem, matéria, vivia evoluindo na eternidade.

Como, então, voltar a sentir a sensação de eternidade em nós?

Como fazer para que o tempo não venha superar a eternidade?

As virtudes são eternas. São conquistas perenes de nosso espírito. Não se perdem no tempo, porque a eternidade é maior do que qualquer tempo efêmero, que se apaga com o passar da caminhada.

Cultivar a eternidade em nós é superar as barreiras do tempo e conquistar, para sempre, as pequenas virtudes da alma, que se tornarão grandes cada vez mais, por serem eternas.”

Share on FacebookTweet about this on TwitterGoogle+

Sobre o Autor

Celso Maiellari

Celso Maiellari

Celso Maiellari nasceu em São Paulo no dia 06 de novembro. Graduado em Jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da USP, é jornalista profissional desde 1.981, tendo atuado em revistas de circulação nacional e em Assessorias de Imprensa de grandes empresas dos setores tecnológico e financeiro. Espírita desde os 16 anos, fez cursos e trabalhou na Federação Espírita do Estado de São Paulo, além de participar das atividades de diversos centros espíritas da capital. Foi editor e articulista do Jornal Espírita e é editor da Lúmen Editorial desde 1.991.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *